O papel do professor dentro da faculdade

Posted by Debbys On sexta-feira, 8 de julho de 2011 13 Insanidades
Fonte da imagem
Lembra de quando você tinha problemas com professor na época da escola? Era tão mais simples resolver.... E não estou falando de não gostar da matéria ou do professor, pois sabemos que é cheio de malandro enchendo a paciência dos mestres e fazendo cagada com eles... Nem estou falando dos professores em geral, porque é uma profissão que eu super respeito! Imagina só aguentar o que eles aguentam, ter tanta responsabilidade jogada nas costas... Enfim, mas não estou aqui para falar exatamente sobre isso, mas sobre o comportamento de certos professores de faculdade.

Há uma grande diferença quando se está em uma universidade. Às vezes você é quase da mesma idade do seu mestre, e não adianta muito seu pai ou sua mãe irem reclamar se algo acontecer, como na época da escola. É bem diferente, e notei isso duas vezes já.

A maioria dos meus mestres da facul são muito inteligentes, legais, gostam do que fazem e fazem bem feito. Claro que muitas vezes você fica chateada quando recebe uma nota muito baixa ou leva uma resposta um pouco mais grosseira, mas você sabe que aquele professor é bom e sabe também que ele só quer que você aprenda as lições da vida. Mas e quando ele passa do limite? Lembro de já ter contado quando no fim do ano passado fiz um trabalho "errado" (segundo o professor) e além de gritar com o nosso grupo ele nem deixou chegarmos ao fim da apresentação. Fiquei com muita raiva, e com mais raiva ainda de não ter feito nada. Sabia que, se ele fizesse aquilo de novo com algum outro aluno, seria culpa minha também, que me acovardei em fazer uma reclamação formal por medo de ele ser meu professor novamente. 

Só que, esses dias ocorreu um fato muito desagradável com uma colega que me fez pensar: eu me acovardei não foi à toa. Fato é que, por ela ter feito umas coisas erradas no processo de um trabalho, ele praticamente a chamou de analfabeta, e falou várias outras coisas idiotas, que prefiro nem comentar. Só que sim, ele será nosso professor de novo, inclusive em duas matérias no próximo semestre. O que devemos fazer uma hora dessas? Quero dizer, ela pode reclamar e ser ouvida, mas sabemos que, tendo ocorrido apenas com ela, não será motivo para que a faculdade tome medidas mais trágicas com o sujeito. E aí? E se ele se "vinga" dela no próximo período? Como provar? Como?

Juro que fiquei me perguntando isso, e super revoltada, pois é uma das minhas grandes amigas, e sério, prefiro que mexam comigo do que com as pessoas que gosto... E você? Jà passou por algo assim? Conta aí pra gente!

Grande Abraço! =]]

13 Insanidades:

Fernanda disse...

acho que a educaçao e o respeito vêm em primeiro lugar. e ja que sao professores deveriam dar exemplo ne?chato isso. ainda bem que nunca aconteceu comigo, ainda. e espero que nunca aconteça. rsrs.

beijos

mari ebert disse...

Ainda não estou na facul. Deve ser bem diferente mesmo, já que quando se está na faculdade, os seus pais não podem resolver os seus problemas.
Se bem que... O Ensino médio também não é fácil.
Já tive muitos mestres ótimos na minha vida, mas também já tive muito professor escroto.
Eu admiro muito a profissão, mas acho que os professores deveriam ser os primeiros a passar a noção de justiça.
Não costumo ficar de cabeça baixa, mas em certas situações é melhor nao dizer nada mesmo. Afinal, vai que o cara "se vinga" depois...
Amei o blog! Eh isso, bjão!

Rosie-Posie disse...

Quando isso aconteceu comigo e minhas amigas no 1º período ficamos caladas(meu profº pagava sabão geral e humilhava) por medo e tals. Mais agora no 3º período aconteceu de novo. Dai fomos conversar com a coordenadora do curso e explicamos tudo. Ela falou com ele e não citou nomes de ninguém (até pq foi uma galera reclamar). No meu caso, não reclamamos dele como professor, e sim como pessoa. E não fomos diretamente falar com ele, pq creio que não iria levar numa boa.
Ainda tenho mais 2 anos e meio pra terminar meu curso e ainda vou pegar muitas matérias com ele. E sim tem professores que pegam no pé e se vingam (pq tem pessoas que pensam que na universidade não rola isso).
Dps da tal conversa com a coordenadora ele esta muito mais zen e educado.

Faço curso de história licenciatura e não quero de forma alguma ser assim com meus alunos. Quero ser a pessoa com que eles possam contar e não terem medo de mim.

P.S: Desculpa pelo livro que escrevi. ^^

mari ebert disse...

Eu ja comentei nesse post! hahaha
Obrigada pelos elogios lah no meu blog! Bjão!

Tânia T. disse...

Nossa.. já vi que isso acontece em toda faculdade.

Do que adianta reclamar?

Temos uma prof. super inteligente, mas não sabe transmitir o conteúdo... e ela dará aula da mesma matéria no próximo período. Já da pra imaginar que deu muito desânimo né? Já reclamamos tanto com ela e nada foi mudado.. =/ É triste, muito triste.

E tem muito desses casos também.. problemas com trabalhos, notas.. e é tanta burocracia! Tanta injustiça... aff'

Complicado.

Bjuuu

Um ótimo fds pra você!

Malú disse...

Nossa ano que vem eu entro na facul ( meu vestibular é no fim do ano) realmente já tinha ouvido falar que nada na faculdade lembra o comportamento da escola, na qual tudo é mais "calmo" digamos assim...

Eu achei bem complicada essa situação hein, mas humilhar um aluno, bom isso não é comportamento de um bom professor. Pelo menos ao meu ver.

http://organizadabagunca.blogspot.com/

beijinhos @maluu_maluu

Patrícia Pirota disse...

Debbys,

Quando um professor dá aula na universidade, parece que "o poder" sobe à cabeça dele, sabe-se lá porquê...

Me lembro de uma professora minha, que por ter pego birra de mim (eu era monitora de uma professora que ela detestava), trocou minhas notas, sumiu com meus trabalhos e me reprovou da matéria dela.
Na época eu já tinha tanto problema, que nem quis arrumar mais, e ela acabou sendo "convidada a se retirar" da faculdade, pois havia feito coisas piores com outros alunos.

O único conselho que posso dar é o velho de sempre: converse com o professor. Respeitosamente e com calma. Muitas vezes nós falamos/fazemos algo sem pensar, então, pode ter sido esse o caso. E se ele for uma pessoa decente, vai admitir o erro e pedir desculpas.

Agora, se o estrupício continuar sendo mal educado, corre na coordenação do curso e explica pro coordenador. De preferência, leva testemunha...

Espero que tudo se resolva...

Um beijo!

Anônimo disse...

Estudo na Newto Paiva e la estavamos com problemas com uma professora agora são duas. Ja tentamos conversar com uma e não resolveu nada muito pelo contrario chegou ao ponto dela chegar na sala com problemas pessoais e mandar a turma toda "pra put... q pari..." achamos um absurdo e fomos no cordenado do nosso curso de contabeis redigimos uma carta com todos os problemas e ate hoje não resolveu nada!
A outra é uma estressada de plantão alem de desorganizada, fala uma coisa em outra turma chega na nossa e cisma q falou tal coisa e a turma toda afirma q o que disse não foi dito na nossa sala, pra que... Ela xinga ate a nossa 5° geraçao, nao deixa ninguem falar, aponta dedo na cara de aulo e fala q pra homenagem dele ira dar uma prova muito muito dificil...
Sinceramente isso desanima o aluno, primeiro pq o professor nao ta fazendo favor pra nos nao, ele esta ali pra fazer o papel dele.
Centro Universitario Newton Paiva, esta caindo no conceito com relação aos profissionais citados que "destratam" alunos, e com relação a instituição que não toma providências quanto a isso.
Infelizmente temos também alunos retraidos que aceitam tudo por que os professores ja ameaçam antes mesmo da reclamação, por isso não fiquem calados lutem pelos direitos pois talvez as coisas estão nesse ponto por que ninguém reclama, aceitam tudo.
Ass.: Aluno da instituição Newtom Paiva Belo Horizonte.

Anônimo disse...

Terminei a faculdade (privada) em 2012. Tivemos problemas como alguns professores, alguns forma resolvidos em sala de aula, outros tivemos que tomar medidas mais radicais. A vantagem de estudar em faculdade privada, é que os professores são contratados no sistema CLT, ou seja, terminou o semestre pode ser dispensado.
Sou uma pessoa que gosto das coisas certas, pagava a faculdade em dia, então exigia meus direitos. Como entrei na faculdade com 33 anos e já estava no mercado de trabalho e a maioria dos meus colegas tinham acabado de sair do ensino médio e estavam entrando no mercado de trabalho, não entendiam muito bem as minhas reclamações. Estudamos 4 anos juntos e conseguimos mudar muita coisa na faculdade, eles aprenderam que quando a reclamação tem fundamento, vale a pena lutar e não ficar pensando que o professor pode marcar a sala ou os alunos. Pois, quando mais de 90% da turma está tendo problemas com a matéria, cabe aos alunos provar que o problema está é com o professor. O professor pode ter varias formações, ter um excelente curriculo, e tudo mais, porém, senão conseguir transmitir todo seu conhecimento de forma clara e lógica, para os alunos não vai acrescentar nada.

Anônimo disse...

Eu também estou estressada com uma professora supervisora de estágio, simplesmente pegou no meu pé, me xingou na frente de pacientes e colegas durante atendimento, e gesticulou gestos agressivos, é uma grossa com os pacientes, e a universidade é privada, como devo proceder para procurar meus direitos, antes que eu surte e arraste ela pelos cabelos, tentei trocar de turma e a resposta foi não, preferi não contar o real motivo pelo qual quero trocar, pois professores não se mordem, então não sei o que fazer? perdida totalmente à beira de um ataque de raiva com aquela mulher que se acha a melhor de todos e todas!!! abraços

Anônimo disse...

Estou com um sério problema na faculdade também. Meu grupo e eu amamos todos os professores, todos são incríveis, tem excelente didática, são descontraídos e preparados, porém estamos muito decepcionados com um professor que se acha superior a todos e não aceita ser contrariado. A sala inteira reclama dele, falamos com o nosso coordenador sobre o dito cujo mas ele nos indicou conversar diretamente com ele e explicar a nossa insatisfação e caso não resolvesse o problema, disse para procurá-lo novamente. Assim fizemos, ele numa aula resolveu do nada perguntar o que estávamos achando do curso, e foi a hora em que falamos educadamente e com calma sobre a nossa opinião. O problema se agravou, depois que falamos isso ele começou a falar coisas bem desagradáveis na frente de todos os nossos colegas. Na outra semana ele chegou com a cara fechada e falou um monte sobre a gente, disse que ele foi humilhado e que ele teve que fazer terapia de tanta raiva que ele sentiu. Ele está nos perseguindo mais do que nunca, e eu e meus amigos estamos cogitando sobre recorrer ao coordenador para que ele tome medidas mais drásticas, pois o curso é bem caro e não estamos tendo o retorno que esperávamos. Entretanto, estamos com medo de ir falar, e ele descobrir que fomos nós e perseguir a gente até o fim, pois alguns alunos de outra sala fizeram isso, foram reclamar, ele descobriu e persegue eles até hoje; fora que o coordenador não fez nada quanto às reclamações já feitas. O pior é que nós temos aulas com ele até no final do curso. O cara é um cavalo, não aceita imperfeições e fica desmerecendo os alunos, estamos cansados disso, saturados dos coices e da falta de ética dele. Estamos preocupados e duvidosos sobre que decisão tomar. Abraços :-)

josi disse...

um professor de bioética não teve a mesma ética ao criticar apresentação dos alunos ágil com desrespeito todos se sentiram humilhados o que fazer

Leia Gonçalves disse...

Nossa ....achei que somente eu passava por isso ,obrigada pessoas destratada e humilhada SIC , eu não sou a única .Tenho uma professora de direito civil (advogada furreca) nem ela entende o que fala , e como sou a única aluna que leva o livro pq a didática dela é uma me*** , ela pega no meu pé e tudo que falo ela me da patada e respostas grosseiras , então decidi não assistir mais as aulas dela , e mudar de faculdade .Isso pra não responder um processo por agressão .rss

Postar um comentário

Esse espaço é todinho de vocês!